Motivação e Sucesso: Um livro inspirador sobre qualidade

Revisitando minha biblioteca, encontrei e tive o prazer de reler o encantador livro de John Guaspari – I know it when I see it – que numa tradução livre quer dizer “Eu sei quando eu vejo”, que foi publicado no Brasil com o título “A empresa que parou no tempo”. O livro original é de 1985.

Através de uma fábula, o autor conta a história de uma empresa, a Pontuação S.A. que havia inventado, produzia e comercializava os sinais de pontuação, com total liderança do mercado o que a tornava segura e tranquila. Entre seus clientes havia muitas empresas, advogados e poetas que utilizavam enormes quantidades de parênteses, pontos de exclamação e vírgulas fabricados pela Pontuação S.A.

Tudo corria maravilhosamente até que surgiu uma concorrente, a Processos S.A. Com melhor qualidade, a Processos S.A. começou a minar a liderança da Pontuação S.A.

Preocupado com a perda de clientes e consequente diminuição dos resultados, o presidente da Pontuação S.A. tentou várias estratégias para resolver o problema de qualidade.

A primeira tentativa foi a de pedir a seus colaboradores que “trabalhassem mais e melhor”. A realidade, porém é que seus colaboradores já faziam isso e o pedido do presidente só serviu para baixar a autoestima dos funcionários e a qualidade caiu ainda mais.

A segunda tentativa foi “aumentar a supervisão”. Assim, o presidente dobrou o número de funcionários, contratando um supervisor para cada operador. A ideia era que os erros fossem pegos imediatamente. O resultado foi ainda mais desastroso: os colaboradores se sentiram desprestigiados, o custo aumentou, a qualidade piorou, o clima da empresa piorou e os resultados caíram ainda mais.

Já desesperado pelas fracassadas tentativas de resolver o problema de qualidade da Pontuação S.A., o presidente chegou à conclusão de que todo o problema estava na liderança e na sua forma de pensar e entender o problema de qualidade.

Decidiu então mudar a forma de pensar, mudar o modelo mental da liderança. Em vez de corrigir os defeitos, a empresa iria concentrar seus esforços para prevenir erros em vez de tentar corrigi-los após cometidos.

Essa mudança de mentalidade da liderança fez toda a diferença. A empresa começou a ter resultados, a confiança voltou a ser instalada na empresa, a autoestima dos colaboradores melhorou e os resultados foram surpreendentes. A empresa aumentou suas vendas e seus lucros, entrando novamente numa zona de conforto, pois havia se equiparado à Processos S.A.

No meio desse conforto, surge um cliente furioso que reclama da qualidade dos produtos da Pontuação S.A. atirando sobre a mesa do presidente todos os sinais de pontuação com defeito fabricados pela empresa. Os diretores justificaram os erros para o cliente mostrando todos os protocolos e normas de qualidade mas o cliente não quis sequer ouvir dizendo: “Eu sei quando tem qualidade quando eu vejo!”.

A moral da fábula é que o conceito de qualidade a ser colocado em um produto ou serviço não é aquele que a empresa internamente define como qualidade e sim o que é identificado ou percebido pelo cliente. Qualidade é aquilo que o cliente sente e não o que a empresa diz ser mostrando protocolos, normas e documentos.

A fábula termina com a entrega do Prêmio Nacional de Qualidade à Pontuação S.A. e com um belo discurso do presidente mostrando os erros cometidos até entender que qualidade é o que o cliente vê.

Pense nisso. Sucesso!

PENSE NISSO:

• Você tem consciência de que qualidade é o que o cliente vê e sente e não o que a empresa diz ser?

• Na sua empresa há um Sistema de Qualidade, com protocolos e procedimentos claros e definidos para que todos possam se sentir seguros e garantir a qualidade total dos produtos e serviços?

• Como dizia Peter Drucker, qualidade não se discute mais. Ou você tem ou já está fora do mercado. Você acredita nisso?

Por Luiz Marins

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Veja outras notícias