Tire suas dúvidas sobre os testes rápidos de coronavírus nas farmácias

NOTÍCIAS

OFERECIDAS PELO SINCOFARMA MINAS GERAIS


Tire suas dúvidas sobre os testes rápidos de coronavírus nas farmácias

Advogada Carolina Fidalgo, especialista em vigilância sanitária e direito regulatório, esclarece os leitores

As farmácias e drogarias, após decisão anunciada no final do mês passado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já podem realizar testes rápidos para o novo coronavírus no Brasil.

A advogada Carolina Fidalgo, especialista em vigilância sanitária e direito regulatório, esclarece para o Portal Eu, Rio! algumas dúvidas dos consumidores na hora de eleger a melhor forma de testagem:

Portal Eu, Rio! – Eu quero fazer um teste rápido de coronavírus, quais estabelecimentos estão autorizados a fazer?

Carolina Fidalgo – Laboratórios clínicos e farmácias.

PER – Como saber se aquele teste é autorizado pela Anvisa?

CF – No Brasil, apenas podem ser comercializados os testes previamente registrados junto à ANVISA. A lista dos produtos autorizados pela ANVISA pode ser encontrada no seguinte link: http://portal.anvisa.gov.br/informacoes-tecnicas13/-/asset_publisher/WvKKx2fhdjM2/content/prioridade-de-analise-em-situacoes-de-aumento-da-seguranca-de-uso-dos-produt-1/33912?redirect=%2Fprodutos-para-a-saude&inheritRedirect=true

PER – Qual é a indicação do teste para a Anvisa? Tem alguma especificidade na regulamentação?

CF – A realização do teste rápido só é indicada a partir do sétimo dia após o surgimento dos sintomas. De acordo com a regulamentação da ANVISA (RDC 377/2020), o farmacêutico deverá entrevistar o interessado em realizar o exame a fim de identificar se ele se encontra dentro da janela imunológica.

PER – Foi estipulada uma faixa de preços?

CF – Não

PER – O que fazer se encontrar um preço abusivo?

CF – Os consumidores que se sentirem lesados poderão apresentar reclamações aos órgãos do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA e vigilâncias sanitárias estaduais e municipais), bem como aos órgãos do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor (como os PROCONs).

PER – A farmácia ou drogaria pode me negar o direito de fazer o teste?

CF – De acordo com o art. 3º da RDC 377/2020, que autoriza, em caráter temporário e excepcional, a utilização de “testes rápidos” para a COVID-19 em farmácias, “cabe ao Farmacêutico Responsável Técnico entrevistar o solicitante do teste rápido em consonância com a instrução de uso do teste e a sua respectiva janela imunológica, visando evidenciar a viabilidade da aplicação do teste específico disponível no estabelecimento ao paciente”. O farmacêutico, portanto, pode se recusar a fazer o teste naqueles indivíduos que não se enquadrarem nos requisitos exigidos por cada fabricante. A RDC 377/2020 não prevê tais requisitos. O farmacêutico deve, inclusive, arquivar um registro dessa entrevista “como comprovante de que a aplicação do teste ocorreu em consonância com a sua instrução de uso e a respectiva janela imunológica”. De acordo com a Nota Técnica 97/2020 da ANVISA, “a árvore decisória para a utilização do teste deve ser elaborada em consonância com a instrução de uso do teste disponível no estabelecimento e respeitando a janela imunológica do paciente. O paciente que for descartado pela árvore de decisão deve ser orientado quanto ao correto momento de realizar o teste rápido”.

PER – Quando o cidadão deve recorrer à Anvisa?

CF – Os cidadãos devem recorrer à ANVISA ou às vigilâncias sanitárias estatuais e municipais se verificarem alguma irregularidade na comercialização e aplicação dos testes, tais como: (i) aplicação de testes sem registro na ANVISA; (ii) comercialização de testes por estabelecimentos que não sejam farmácias ou laboratórios clínicos; (iii) comercialização de testes sem a realização de entrevista prévia; (iv) aplicação de testes por pessoas que não estejam utilizando equipamentos de proteção individual.